Centre of expertise
Casa

UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA À MENOPAUSA

Pubblicato: 28/03/2024 | Autore: Caroline Cummins MSc é Nutricionista Certificada e membro do Conselho de Nutrição da Oriflame.

A menopausa é muito mais do que os afrontamentos no final da idade fértil - é uma viagem transformadora, vivida de forma única por todas as mulheres como parte natural do envelhecimento - e o início do resto da sua vida! Quer esteja ou não a utilizar terapia de substituição hormonal (TRH), saiba como uma boa alimentação e outras escolhas de estilo de vida podem não só ajudar a aliviar os sintomas da menopausa, como também contribuir para manter a sua saúde durante esta época da sua vida.

A MENOPAUSA É DIFERENTE PARA CADA MULHER

A menopausa ocorre normalmente entre os 45 e os 55 anos de idade, mas pode ocorrer mais cedo ou mais tarde (Santoro et al., 2021). Esta transição pode trazer desafios físicos e emocionais devido à flutuação dos níveis hormonais. Atualmente, as mulheres podem passar até 40% da sua vida na pós-menopausa devido ao aumento da esperança de vida (Takahashi et al., 2015).

A MENOPAUSA INFLUENCIA A SAÚDE DE DIFERENTES FORMAS

A menopausa é oficialmente diagnosticada quando uma mulher passa 12 meses sem menstruar (Santoro et al., 2021). O período que antecede a menopausa, conhecido como perimenopausa, pode durar vários anos, durante os quais começam a surgir os sintomas. Quando os ovários deixam de produzir um óvulo por mês, reduzem a produção de inúmeras hormonas, principalmente estrogénios. O estrogénio não só afeta o sistema reprodutor, como também está envolvido em muitos sistemas do corpo, afetando tudo, desde a regulação da temperatura e o metabolismo até à densidade óssea e à saúde cardiovascular (Bermingham et al., 2023; Santoro et al., 2021).

SINTOMAS COMUNS DA MENOPAUSA

Esta quebra de estrogénio provoca os sintomas da menopausa. Os sintomas vasomotores são os mais comuns e incluem afrontamentos e suores noturnos. Outros sintomas da menopausa podem incluir perda de cálcio nos ossos, aumento da pressão arterial, alterações nos níveis de colesterol, alterações na pele, queda de cabelo, alterações de humor, stress e ansiedade, problemas de memória, cansaço, secura vaginal, distúrbios do sono, aumento de peso, entre outros (Greendale et al., 2019; NICE 2015).

A ALIMENTAÇÃO PODE ATENUAR OS SINTOMAS DA MENOPAUSA

A alimentação desempenha um papel essencial no equilíbrio das hormonas, no alívio dos sintomas e na redução do risco de doenças associadas à menopausa, como as doenças cardiovasculares e a osteoporose (Bermingham et al., 2023). Estudos realizados indicam que os sintomas vasomotores são intensificados pela obesidade e por uma ingestão elevada de gordura e açúcar (Herber-Gast et al., 2013). Consequentemente, a perda de peso e a melhoria dos hábitos alimentares têm demonstrado reduzir os sintomas (Yelland et al., 2023; Kroenke et al., 2012).

O QUE COMER PARA AJUDAR NA MENOPAUSA

Os fitoestrogénios são compostos à base de plantas que imitam os estrogénios no organismo. A introdução regular na alimentação de alimentos ricos em fitoestrogénios, como a soja e as sementes de linhaça, pode ajudar a atenuar os sintomas vasomotores, como os afrontamentos (Barnard et al., 2021).
Para promover a saúde do coração, é essencial incluir ácidos gordos ómega 3 (encontrados em peixes gordos, como o salmão e a cavala) e fibra alimentar (encontrada em alimentos de origem vegetal, como legumes, frutas, cereais integrais, leguminosas, nozes e sementes) (NICE 2008).
A ingestão adequada de cálcio e vitamina D é essencial para a saúde óssea (Cano et al., 2018). Os alimentos ricos em cálcio incluem laticínios (iogurte, leite, queijo, etc.), alternativas ao leite enriquecidas com cálcio e peixes com espinhas comestíveis, como a sardinha e o salmão enlatado. A vitamina D ajuda na absorção do cálcio e encontram-se pequenas quantidades nos peixes gordos, no óleo de fígado de bacalhau e em alguns alimentos enriquecidos. No entanto, a principal fonte de vitamina D é produzida na pele sob a ação da luz solar. A deficiência de vitamina D é comum e, por isso, a inclusão de um suplemento pode ser benéfica neste caso (Holick et al., 2007).
Os micróbios do microbioma intestinal desempenham um importante papel na manutenção do equilíbrio hormonal (Bermingham et al., 2023). As bactérias boas encontradas nos probióticos e nos alimentos fermentados, como o kefir e a kombucha, e as fibras prebióticas, como a inulina e o fruto-oligossacárido (FOS), ajudam a manter o microbioma intestinal saudável.
A hidratação é importante para todos os sistemas do organismo; uma desidratação, mesmo que ligeira, pode afetar o humor e o estado de alerta. Procure beber pelo menos 1,5 - 2 litros de água por dia e mais quando o tempo está quente.
Adotar os padrões alimentares da Dieta Mediterrânica ou Nórdica, que enfatizam uma abundância de alimentos à base de vegetais (fornecendo fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes), juntamente com proteínas magras e gorduras saudáveis, pode ajudar na perda de peso e aliviar os sintomas da menopausa, promovendo ao mesmo tempo a saúde do coração, do intestino e da pele (Cano et al., 2020; Herber-Gast et al., 2013).

ADOTE UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA PARA UMA MENOPAUSA SAUDÁVEL

Embora a alimentação seja fundamental, a gestão dos sintomas da menopausa requer uma abordagem holística. A atividade física regular, especialmente os exercícios que suportam o peso, como caminhar, correr, fazer lunges, agachamentos, etc., contribui para a saúde óssea, ajuda a manter a massa muscular, estimula o metabolismo e melhora o estado de espírito (OMS 2020; Anderson et al., 2013). Práticas como o ioga e a meditação podem ajudar a gerir o stress e a melhorar a qualidade do sono. Garantir um sono consistente e de qualidade é essencial para permitir que o corpo recupere e regule as hormonas de forma eficaz (Watson et al., 2015).
Adotar uma abordagem holística com foco numa boa nutrição e hábitos de vida pode ajudá-la a navegar nesta fase natural da vida com confiança e bem-estar.

SOBRE A AUTORA:

Caroline Cummins MSc é Nutricionista Certificada e membro do Conselho de Nutrição da Oriflame.

REFERÊNCIAS

Anderson, E., & Shivakumar, G. (2013). Efeitos do exercício e da atividade física na ansiedade. Fronteiras em psiquiatria, 4, 27. https://doi.org/10.3389/fpsyt.2013.00027
Barnard, N. D., Kahleova, H., Holtz, D. N., Del Aguila, F., Neola, M., Crosby, L. M., & Holubkov, R. (2021). Estudo da Mulher para o Alívio dos Sintomas Vasomotores (WAVS): um ensaio aleatório e controlado de uma dieta à base de plantas e soja integral para mulheres na pós-menopausa. Menopausa (New York, N.Y.), 28(10), 1150–1156. https://doi.org/10.1097/GME.0000000000001812
Bermingham, K. M., Linenberg, I., Hall, W. L., Kadé, K., Franks, P. W., Davies, R., Wolf, J., Hadjigeorgiou, G., Asnicar, F., Segata, N., Manson, J. E., Newson, L. R., Delahanty, L. M., Ordovas, J. M., Chan, A. T., Spector, T. D., Valdes, A. M., & Berry, S. E. (2022). A menopausa está associada ao metabolismo pós-prandial, à saúde metabólica e ao estilo de vida: O estudo ZOE PREDICT. EBioMedicine, 85, 104303. https://doi.org/10.1016/j.ebiom.2022.104303
Cano, A., Chedraui, P., Goulis, D. G., Lopes, P., Mishra, G., Mueck, A., Senturk, L. M., Simoncini, T., Stevenson, J. C., Stute, P., Tuomikoski, P., Rees, M., & Lambrinoudaki, I. (2018). O cálcio na prevenção da osteoporose pós-menopausa: Guia clínico EMAS. Maturitas, 107, 7–12. https://doi.org/10.1016/j.maturitas.2017.10.004
Cano, A., Marshall, S., Zolfaroli, I., Bitzer, J., Ceausu, I., Chedraui, P., Durmusoglu, F., Erkkola, R., Goulis, D. G., Hirschberg, A. L., Kiesel, L., Lopes, P., Pines, A., van Trotsenburg, M., Lambrinoudaki, I., & Rees, M. (2020). A dieta mediterrânica e a saúde na menopausa: Uma declaração de posição do EMAS. Maturitas, 139, 90–97. https://doi.org/10.1016/j.maturitas.2020.07.001
Greendale, G. A., Sternfeld, B., Huang, M., Han, W., Karvonen-Gutierrez, C., Ruppert, K., Cauley, J. A., Finkelstein, J. S., Jiang, S. F., & Karlamangla, A. S. (2019). Changes in body composition and weight during the menopause transition. JCI insight, 4(5), e124865. https://doi.org/10.1172/jci.insight.124865
Herber-Gast, G. C., & Mishra, G. D. (2013). Fruta, estilo mediterrânico e dietas ricas em gordura e açúcar estão associadas ao risco de suores noturnos e afrontamentos na meia-idade: resultados de um estudo de coorte prospetivo. O jornal americano de nutrição clínica, 97(5), 1092–1099. https://doi.org/10.3945/ajcn.112.049965
Holick M. F. (2007). Deficiência de vitamina D. Jornal de Medicina de Nova Inglaterra, 357(3), 266–281. https://doi.org/10.1056/NEJMra070553
Kroenke, C. H., Caan, B. J., Stefanick, M. L., Anderson, G., Brzyski, R., Johnson, K. C., LeBlanc, E., Lee, C., La Croix, A. Z., Park, H. L., Sims, S. T., Vitolins, M., & Wallace, R. (2012). Efeitos de uma intervenção dietética e da mudança de peso nos sintomas vasomotores na Iniciativa de Saúde da Mulher. Menopausa (New York, N.Y.), 19(9), 980–988. https://doi.org/10.1097/gme.0b013e31824f606e
NICE (National Institute for Health and Care Excellence). (2015) Menopause: Diagnosis and Management [NG2023] Available from https://www.nice.org.uk/guidance/ng23/resources/menopause-diagnosis-and-management-pdf-1837330217413 [Accessed 21 February 2024]
Centro Nacional de Orientação Clínica (Reino Unido). (2014). Modificação lipídica: Avaliação do Risco Cardiovascular e Modificação dos Lípidos no Sangue para a Prevenção Primária e Secundária da Doença Cardiovascular. Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (Reino Unido).
Santoro, N., Roeca, C., Peters, B. A., & Neal-Perry, G. (2021). A transição da menopausa: Sinais, sintomas e opções de gestão. Jornal de endocrinologia clínica e metabolismo, 106(1), 1-15. https://doi.org/10.1210/clinem/dgaa764
Takahashi, T. A., & Johnson, K. M. (2015). Menopause. The Medical clinics of North America, 99(3), 521-534. https://doi.org/10.1016/j.mcna.2015.01.006 Watson, N. F., Badr, M. S., Belenky, G., Bliwise, D. L., Buxton, O. M., Buysse, D., Dinges, D. F., Gangwisch, J., Grandner, M. A., Kushida, C., Malhotra, R. K., Martin, J. L., Patel, S. R., Quan, S. F., & Tasali, E. (2015). Quantidade recomendada de sono para um adulto saudável: Uma declaração de consenso conjunta da Academia Americana de Medicina do Sono e da Sociedade de Pesquisa do Sono. Sleep, 38(6), 843-844. https://doi.org/10.5665/sleep.4716
Organização Mundial de Saúde (OMS). (2020). Recomendações globais sobre atividade física para a saúde. Disponível em https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44399/9789241599979_eng.pdf?sequence=1 Yelland, S., Steenson, S., Creedon, A. & Stanner, S. (2023) O papel da alimentação na gestão dos sintomas da menopausa: Uma análise narrativa. Boletim de Nutrição, 48, 43-65. Disponível em: https://doi.org/10.1111/nbu.12607

Angolo dell'ispirazione

Safe and lasting ways to lose weight for health
Centre of expertise
Safe and lasting ways to lose weight for health

How can you lose weight safely and keep it off? Obesity expert Professor Claude Marcus of Karolinska Institute and Registered Nutritionist Caroline Cummins explore.

Leggi ora

Altre categorie

INSPIRAÇÕES DE BELEZA
INSPIRAÇÕES DE BELEZA